APRESENTAÇÃO

 

Experiências inovadoras de formação

1- A proposta político-pedagógica do Mestrado Profissional Ensino na Saúde pretende contribuir para assegurar aos alunos-docentes e, por extensão, àqueles que são e serão seus alunos o acesso a elementos essenciais à apropriação ampla e permanente dos conhecimentos necessários à formação humana integral, respaldada na concepção de homem como um ser sócio-histórico. Destaca-se uma categoria essencial à compreensão da realidade em que se produzem as práticas de saúde e educação: a totalidade. Tal categoria exige apreender essa realidade em suas íntimas leis, desvelando a causalidade dos fenômenos e suas conexões internas e externas. A totalidade não se constitui por uma mera soma de fatos; significa, ao contrário, a realidade como todo estruturado, dialético, no qual um fato (ou conjunto de fatos) pode vir a ser racionalmente compreendido como parte(s) do todo. Nesse sentido, constitui estratégia a interação permanente entre ensino-serviço através da participação dos gestores e de outros atores sociais envolvidos nos serviços de saúde no processo de formação do mestre. Além disso, todo o problema investigado advém do campo das práticas em saúde. O aluno e o Programa comprometem-se em retornar ao serviço de saúde com uma proposta de intervenção-mudança visando à consolidação e qualificação do SUS.

2- Frente às transformações das sociedades contemporâneas ganham contornos próprios no trabalho em ensino na saúde, a necessidade de se desenvolver metodologias que garantam a indissociabilidade entre teoria e prática, o desenvolvimento de uma visão integral do homem e a ampliação da concepção de cuidado. Nesse sentido, o Programa de Mestrado Ensino na Saúde desenvolve várias experiências de ensino-aprendizagem relacionadas ao processo de formação do mestre, com ênfase na apreciação das metodologias ativas de ensino-aprendizagem.

3- O desenvolvimento da competência coletiva por meio de realização de atividades acadêmicas por meio de ações coletivas. O Seminário de Projetos do Mestrado Profissional compreende a primeira etapa no curso de mestrado de apresentação/defesa de projetos de pesquisa/intervenção ou outros formatos para o Trabalho de Conclusão de Curso. As apresentações de dão com a presença de todos os professores e alunos do Programa, distribuídos em um ou dois dias de atividade. Para esta atividade são convidados os gestores dos serviços de saúde que integram os campos de atuação dos alunos. As bancas são constituídas a partir das duas linhas de pesquisa. Para cada linha assegura-se a participação de um docente de instituição externa com experiência naquela linha, o qual buscará entre os projetos apresentados encontrar pontos de convergência para construção da identidade do Programa. Além disso, tem a oportunidade de analisar as singularidades e processo criativos vivenciados por cada orientador/orientando do Programa. Assegura-se a participação de todos os professores do Programa nas bancas constituídas, reforçando-se assim o trabalho cooperativo e em grupo. Com o mesmo formato realizamos também o Seminário de Produtos do Mestrado Profissional, momento em que os alunos apresentam projeto de intervenção em sua prática profissional.

  

Indicadores de integração com a graduação

Todos os professores vinculados ao MPES atuam em cursos de graduação da UFF e orientam alunos de iniciação científica vinculados a seus projetos de pesquisa. Os alunos do MPES participam de forma efetiva junto aos alunos de graduação, no campo de estágio ou em aulas teóricas. Este último, como incentivo ao desenvolvimento das habilidades didático-pedagógicas do próprio mestrando.Destacam-se nesse contexto as seguintes atividades:

 

  • Participação dos mestrandos nas atividades dos núcleos e grupos de pesquisa, tais como: organização de seminários, participação em elaboração dos relatórios de Iniciação Científica, acompanhamento do processo de orientação dos alunos PIBIC, apresentação de sínteses decorrentes de revisão temática condizente a área de desenvolvimento do projeto de pesquisa;
  • Articulação dos projetos de mestrado profissional, com os trabalhos de conclusão de curso por meio de construção de artigos e apresentações em co-autoria;
  • Participação na organização dos encontros promovidos pela coordenação geral de pós-graduação e coordenação de graduação, por ex: Oficina de Integração Graduação e Pós-graduação;
  • Participação nas oficinas de reestruturação curricular, com a introdução de propostas de disciplinas optativas vinculadas ao Mestrado Profissional: oficinas realizadas no ano de 2012, nos meses de junho e setembro;
  • Circulação e participação em eventos científicos, fóruns, aulas inaugurais promovidas pela Escola de enfermagem e demais unidades de ensino da UFF;
  • Participação no Programa de Ensino pelo Trabalho do Ministério da Saúde (PET-Saúde), desenvolvido em unidades de saúde, como Hospital Universitário, e demais serviços de saúde do município de Niterói favorecendo a integração ensino e os serviços que constituem cenários de prática da graduação e da pós-graduação da UFF.

   

Estágio de docência

O estágio de docência é implementado no MPES como carga horária prática de ensino em duas disciplinas, a saber: Currículo,ensino e planejamento na saúde e Educação Permanente dos trabalhadores em saúde. Além disso, os alunos integram atividades pedagógicas nas disciplinas teórico-práticas coordenadas por seus orientadores, estando os temas de aula relacionados aos seus projetos de pesquisa.

  

Indicadores de integração

   

  • Número de profissionais dos serviços de saúde do município inscritos no processo de seleção ao Mestrado.
  • Participação de gestores dos serviços de saúde nas atividades e eventos organizados pelo programa.
  • Implantação nos serviços de saúde dos produtos decorrentes dos projetos dos alunos do Programa de Mestrado Profissional.
  • Participação dos alunos de mestrado nos artigos realizados pelo orientador em conjunto com os alunos de iniciação científica ou TCC.

  

Intercâmbios nacionais

O programa mantém uma integração com os núcleos de pesquisas da Escola de Enfermagem Anna Nery, que tem gerado parcerias significativas, no que se refere à participação de eventos, discussões teóricas, composições em bancas de pós-graduação, concurso público e progressão de docentes.

Existe também convênio, intercâmbio e cooperação com a Fundação Municipal de Saúde de Niterói, parceria antiga no cenário pedagógico para o ensino de graduação e extensão. Esses vínculos foram atualizados com a implantação do Pró-Saúde e do Pet-Saúde, atualmente sendo reafirmada com o novo edital/2011.

 A EEAAC integra o grupo de instituições que fazem parte da proposta: BVS ENFERMAGEM: projeto para desenvolvimento e operacionalização e é responsável pela coordenação do subprojeto: Enfermagem baseada em Evidências. Uma proposta que solidifica a área de concentração do programa, expressa a partir do OBJN, revista da Escola de enfermagem e com o corpo editorial de professores do MPES.

O intercâmbio entre as diferentes Escolas de Enfermagem do Rio de Janeiro, dada à proximidade geográfica, permite troca de informações que nutre ao mesmo tempo as nossas pesquisas com dados recentes, como estimula o desenvolvimento do Programa, considerando as distinções e os diferentes cenários e suas conexões. Nessa perspectiva, destacado a participação do Programa no Enfcuidar, que é um evento Nacional que integra as Escolas de Enfermagem (UERJ, UFF, UNIRO e UFRJ), sendo um relevante fórum científico sobre o cuidado de enfermagem e suas interfaces.

O Programa colaborou com a organização do Congresso Nacional de Enfermagem, realizado em 2013  no Rio de Janeiro.

A Escola mantém articulação de cooperação com o Ministério da Saúde, na formulação de políticas na área na Saúde da Mulher e do Controle da Hanseníase. Tendo inclusive a participação de docentes do MPES em programas do Ministério da Saúde.

A Rede de Pesquisa Políticas e Práticas de formação do profissional de saúde formada pelas seguintes instituições: UFF, FAMEMA, USP, UFRN, UFPI e NOVAFAPI elaborou o projeto de pesquisa Avaliação da adesão da pesquisa translacional na enfermagem: estudo realizado com base nas dissertações de mestrado de programas de pós-graduação no Brasil que encontra-se em fase de discussão do instrumento de coleta de dados.

O Prof. Benedito Carlos Cordeiro em parceria com o Pólo Regional de Niterói, coordena Curso de Especialização de Gestão da Assistência Farmacêutica.

A Professora Vera Sabóia coordena  o convênio com a Universidade de Coimbra.

A Profª. Ândrea Cardoso estabeleceu parceria do MPES com a SENAD Secretaria Nacional Anti-Drogas – Projeto Centro Regional de Referencia Para a Formação em Crak, Álcool e Outras Drogas. É também Parceira do Ministério da Saúde no Projeto Pet-Saúde coordenando ação de 6 preceptores e 12 alunos da área da saúde do Município de Niterói.

A Profª. Lucia Mourão estabeleceu parceriado MPES com o Grupo de Pesquisa de Analise Institucional e Saúde Coletiva da UNICAMP.

O Prof. Marcos Corvino participa em pesquisa multicêntrica do Ministério da Saúde junto a Escola Nacional de Saúde Publica da Fiocruz e Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro, é também Coordenador pedagógico adjunto do Curso Nacional de Qualificação de Gestores do SUS, ENSP – FIOCRUZ.

A Profª. Elaine Cortez desenvolve parceria com a UFRJ, UNESA-NITERÓI e Fundação Municipal de Saúde junto à Creche Comunitária Rosalda Paim, envolvendo alunos da graduação e do MPES.

 

Intercâmbios internacionais

O Programa possui parceria estabelecida com as seguintes instituições internacionais:

1- Escola Superior de Enfermagem do Porto – Portugal. Atualmente duas professoras do Programa encontram-se em Pós-doutoramento na respectiva instituição e  o projeto de pesquisa – Inovação e Desenvolvimento em Enfermagem é implementado com alunos e docentes do Programa.

2- Laboratoire EMA, Université de Cergy Pontoise – site de Gennevilliers – France. Programa de capacitação de docentes e profissionais, parceria na organização de eventos e participação em aulas.

3-  Com instituições internacionais a EEAAC, mantém dialogo formal com a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, ampliando assim, as parcerias de ensino e pesquisa para os alunos e docentes da Escola.

A Universidade participa do convênio com o Grupo de Tordesilhas, possibilitando o ingresso da Escola nas discussões pertinentes a área de Enfermagem no interior do grupo. Nesta mesma estratégia a Escola vem buscando estreitar laços de parceria acadêmica no desenvolvimento de suas atividades com entidades internacionais no campo da saúde na Europa.

4- A afiliação à Asociación Latinoamericana de Escuelas y Facultades (ALADEFE), desde, 2011 representa a real possibilidade de participação dos espaços de cooperação e de debate político na America Latina, de extrema relevância no desempenho da profissão de enfermagem, e de intercâmbio de saberes para o crescimento da nossa Escola.

 

Inserção social

O Programa busca atender as demandas regionais e institucionais integradas em rede na formação de pessoal qualificado para a consolidação do SUS.

Neste contexto da rede de serviços se encontra o Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP) da UFF, que atende as dimensões de proteção, tratamento e reabilitação nas diferentes especialidades. O HUAP é um hospital de grande porte, que cobre a população de Niterói e de Municípios adjacentes, é mantido com recursos do Ministério da Educação e da Saúde. Nesta instituição são realizadas as atividades de ensino, voltados para os cuidados diretos e indiretos, curativos e de reabilitação de modo a desenvolver conhecimentos, tecnologias e inovação de enfermagem e saúde nas dimensões clínicas e cirúrgicas.

O programa possibilita articulação da rede de serviços de saúde de Niterói e Municípios mais próximos como: cidades da região Sul Fluminense e Serrana, além dos municípios de Itaboraí, São Gonçalo e Rio Bonito. Nestes municípios a rede básica, está organizada na perspectiva da estratégia da saúde da família, integrada com serviços de média e alta complexidade. A EEAAC, já realiza atividades nessas regiões, por meio de convênios de ensino, projetos de pesquisa e extensão que lidam com educação em saúde, consulta de enfermagem, atendimento às pessoas com agravos de maior relevância epidemiológica e prevenção de doenças, trabalhos com grupos humanos e planejamento em saúde. Por conseguinte, os níveis de promoção à saúde, prevenção e diagnóstico precoce são atendidos nesses serviços que subsidiam a formação do enfermeiro e profissionais de saúde.

 

Financiamento

Promover a Qualidade e Capacitação de Docentes e Técnico-Administrativos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense – IFF, no Curso de Pós-Graduação – Stricto Sensu, em nível de Mestrado Profissional em Ensino na Saúde: Formação Docente Interdisciplinar para o SUS da UFF.

O presente projeto surgiu da necessidade de formação em nível de Mestrado dos profissionais do campo da saúde que se encontram referidos a processos de formação e de educação permanente dos profissionais de saúde. O desafio inicial para organização do Programa de Mestrado Profissional em Ensino na Saúde (MPES) foi proposto pela Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES)- Ministério da Saúde como forma de enfrentamento político de formar profissionais capazes de consolidar o Sistema Único de Saúde – SUS.

O SUS é o principal demandante da força de trabalho em Saúde no Brasil, desta forma requer que os profissionais de saúde sejam formados para operar-lo e consolidá-lo como Sistema Público de Saúde, nesse contexto urge formar profissionais para a produção de conhecimentos científicos, o desenvolvimento de pesquisas e tecnologias e o exercício da docência em saúde comprometida com o fortalecimento do SUS, mediante o aprofundamento das bases teórico-metodológicas das ciências humanas, sociais e biológicas que fundamentam o campo multidisciplinar, estando esta formação orientada para o campo de atuação profissional.

O SUS, enquanto uma “Escola de novas práticas em saúde” não dispõe de recursos humanos preparados pedagogicamente para atuar na formação de novos profissionais de saúde, mesmo assim desenvolve-se em larga escala a preceptoria nos serviços de saúde do SUS referida às atividades práticas e de estágio profissional exercida por profissionais de saúde sem qualificação formal em educação ou ensino.

Portanto, hoje, mais do que nunca se discuti de que maneira pode se desenvolver uma política de recursos humanos voltados para a saúde, e este debate envolve a preparação e a qualificação dos trabalhadores no contexto das próprias praticas pedagógicas e de ensino na saúde.

Traduzir